O desabafo de um jovem que nasceu com lábio leporino e que tem depressão

O que fazer quando precisamos de ajuda? Aí você me pergunta: que tipo de ajuda? Eu digo, aquela que você sente que tem certeza que não tem mais jeito. Já fez tudo que tinha e mandaram ter feito. Igual a história do Gu (nome alterado). Ele tinha depressão grave. E ela não veio nele atoa não. Diversos fatores causaram ela, não vou citar quais foram todos eles, por constrangimento. Talvez o mais forte deles foi de ser vítima de um crime que nenhum ser-humano em sã consciência aceita. Nem mesmo os presidiários na cadeia aceitam o crime que foi cometido contra ele.

Cresceu, mudou de cidade, e ninguém notava que ele mudou de comportamento. Perdeu todos os amigos e por causa da fissura, na outra cidade, foi difícil conseguir amigos. Começou a ter comportamentos agressivos de revolta e todo mundo falava que era frescura. Até apanhar dos outros apanhou. Ele não queria ferir ninguém, mas tentaram amarra-lo. A frescura que a sociedade ignorante falava que era, depois veio a ser descoberta como depressão por um especialista da USP de Bauru, interior de São Paulo.

Ele olhava para outros meninos e tinha vontade, mas ao mesmo tempo medo, de se aproximar e ser rejeitado de novo. E foi assim. Foi crescendo e foi assim.

Com um tempo ele começou a sentir uma tristeza muito forte junto com um vazio. Foi ao médico e começou a tomar remédio. O remédio não foi dando resultado, e foi aumentando a dose. Com um tempo ele já tomava vários tipos de remédios. Cinco diferentes tipos de remédios. Cinco comprimidos de manhã um a tarde e mais cinco ou quatro, e a noite mais um para tentar dormir. A internet era a única distração dele. Em momentos de desesperos ele tentava conversar com algum contato do telefone para se distrair. Para alguns que pareciam querer ajudar ele, ele desabafava. Tinha um que quase não falava com ele, mas às vezes dava conselhos (que muita vezes faziam efeito) e depois sumia. Ficava semanas sem falar com ele, esse deveria ser muito ocupado e não o culpo por isso. No domingo a dor da solidão parecia mais forte, e quando era muito, mais muito forte mesmo, ele pedia ajuda para ele. Mas um dia quem o dava palavras de apoio se cansou e disse: “todo domingo hein cara”, isso foi um baque. O outro contato o chamava de amigo, mas era só quando era pra fazer negócios. Acho que esse queria dinheiro para passar o natal como não conseguiu com o depressivo, o desprezou. Literalmente.
O primeiro disse algo que foi para acabar: “Nossa cara se vc continuar falando essas coisas de se matar…
De se machucar…
Vou ter que parar de conversa com vc.
Sinto mt.
Isso vem td pra mim tb.
Eu tenho problemas.
Todos têm…
Nem por isso ficam aí querendo se matar”, concordo em parte e peço desculpas. Mas nunca compare um problema de uma pessoa saudável com o de uma pessoa que têm problemas psiquiatricos. Isso é um erro imenso que só os mais mal informados cometem. É como um amigo disse: Realmente todos tem problemas, tipo, porr… Tenho um trabalho para fazer para faculdade, mas isso não dá vontade e nem o desespero de quem tem problemas depressivos: que é o de não ter vontade de viver e desejo de se matar.

A ignorância humana não tem tamanho mesmo. O egoísmo das pessoas é grande.

Até o profissional, que é psicólogo, comete erros. Ele vai até à casa do depressivo que tá precisando de uma emergência e conversa com ele “numa boa”. O psicólogo consegue dar paz. Mas no fim da consulta ele joga na cara a ída dele até lá. Parece que mandaram chamar ele. Mas não, foi outra pessoa que quis chamar. Isso foi deixado bem claro para ele, mas ele quis jogar na cara de novo: “mas você teve o consentimento de que eu viria aqui”. Eu nunca imaginei que o profissional que ele é falaria isso.

Sabe, eu vejo uns youtubers, não aqueles que só falam e fazem besteiras para ganhar likes. Mas aqueles que dizem coisas atuais. Como política (joice Hasselmann), cultura, estudos e atualidades.

Eu não queria falar a palavra que Nando Moura disse e nem aceitar, mas acho que ele está falando a verdade quando disse uns tempos desses: “Eu não espero merda nenhuma de ninguém”, senão você se decepciona. Acho que é verdade. Infelizmente.

Observe: Alterei algumas partes do texto propositalmente.

Texto de: Paulo Gustavo

Facebook comentário
Você gostará também:

Paulo Gustavo

Bogueiro que nasceu com lábio leporino e que tenta conviver com isso em paz, mas é difícil e que ama ficar navegando na internet durante horas e que adora ler e ouvir músicas de todos os tipos, desde que seja boa de se ouvir e que faça sentido e adora ver filmes. Gosto de ler sobre política, mas não tenho partido. Gosto de ler sobre o mundo religioso, mas não tenho religião e nem sou ateu. Também não sou de outro mundo (risos). Tenho minhas posições. Criador do blog http://www.blogpaulogustavo.com.br onde posta as principais notícias do mundo religioso e que posta (às vezes), seus comentários. Também é administrador do Blog http://megaestranho.com que posta curiosidades e terror. Sou uma pessoa que compartilha informações.

%d blogueiros gostam disto: