Empresas que apoiam a ideologia de gênero entram na lista das mais rejeitadas pelos brasileiros; veja a lista

A ideologia de gênero foi adotada como um valor por algumas empresas que atuam no Brasil, fazendo apologia ao conceito que distorce a biologia ao dizer que nenhum ser humano nasce homem ou mulher, mas se torna o que escolher ser a partir das experiências e influências à sua volta.

Essas empresas, que constroem fortunas a partir da comercialização de produtos e serviços, se tornaram alvo de uma maciça campanha de repúdio nas redes sociais, com diversos formadores de opinião – evangélicos, católicos e mesmo outros sem vinculação pública com essas religiões – se manifestando contra.

Empresas como o Banco Santander, a TV Globo, a marca de sabão Omo, o hipermercado Carrefour e a empresa fabricante de cosméticos Avon conheceram a determinação do público conservador em rebater as tentativas de erotização infantil.

Confira abaixo o envolvimento de cada uma dessas empresas na apologia à ideologia de gênero, em uma lista que compila a essência de cada polêmica com que as marcas foram envolvidas. A iniciativa é do portal Guia-me:

Santander

A mostra “Queermuseu”, promovida pelo Santander Cultural em Porto Alegre (RS), foi amplamente criticada por causa dos quadros com apologia à ideologia de gênero, pedofilia, zoofilia, vilipêndio à fé cristã e até insinuações de racismo. As frases “criança viada deusa das águas” e “criança viada travesti da lambada”, foram as que mais chamaram atenção do público de forma negativa, o que levou o banco a cancelar a exposição.

 

Omo

O oportunismo da marca de sabão se deu com a proximidade do Dia das Crianças, quando algum publicitário responsável pela estratégia de posicionamento da empresa achou que seria adequado pregar a ideologia de gênero com um comunicado semelhante a um “recall“, em que os pais precisariam passar por uma “atualização” de conceitos.

“Omo convoca pais e mães a fazerem um recall de todas as brincadeiras que reforcem clichês sobre gênero, com o objetivo de ressaltar da experiência e do desenvolvimento das crianças. Não existe brincadeira de menino e brincadeira de menina. Toda criança tem o direito de se sujar e se divertir livremente, sem cores, regras ou padrões”, dizia o texto.

O resultado foi uma intensa crítica à empresa nas redes sociais, com o vídeo da campanha recebendo mais de 250 mil reações negativas no YouTube.

Assista a um dos inúmeros vídeos de repúdio:

Carrefour

A rede de hipermercados talvez tenha sido a mais covarde na postura de apologia à ideologia de gênero: fez uma publicação no Facebook, e diante da reprovação generalizada, com direito a comentários até do defensor do porte individual de armas Bené Barbosa, excluiu a imagem e não voltou mais ao assunto.

“Depois que viram adultos, meninos que brincam de boneca ou casinha tornam-se mais conscientes e responsáveis com a família. Brincadeiras não têm gênero. Brincadeiras têm diversão e aprendizado”, dizia o texto que acompanhava a ilustração de um menino segurando um urso de pelúcia. “Brincadeiras não têm gênero“, incentivava.

TV Globo

A emissora da família Marinho vinha usando sua principal novela, A Força do Querer, como uma panfletagem ideológica de defesa da construção social do gênero, através da estória da personagem Ivana, contada por Glória Perez.

Com as manifestações de repúdio, a Globo demonstrou que não estava apenas polemizando com a abordagem do assunto na dramaturgia, e produziu matérias “jornalísticas” em seu principal programa dominical, o Fantástico, ouvindo apenas especialistas favoráveis à ideologia de gênero, tentando retratar o assunto como “brincadeira de criança“, e criticando a postura dos telespectadores que se opunham a isso e às exposições de arte com nudez.

Na mesma ocasião, o documentário Repense o Elogio se tornou de conhecimento público, com a entrevista da diretora, afirmando que era um erro elogiar meninas como “princesas”, pois isso reforçaria o estereótipo que sustenta uma visão machista da sociedade.

Criticada de forma intensa, com uma abrangência inédita, através da hashtag #GloboLixo, a emissora virou alvo da concorrência e foi tema de uma reportagem da Record TV no Domingo Espetacular, em que o repúdio popular foi acompanhado da opinião de profissionais que discordaram da abordagem adotada pela Globo e demais empresas.

Sem bater de frente com a audiência, a Globo foi aos poucos diminuindo a presença do assunto em sua programação e usou um vídeo institucional para dizer que, dentre os 100 milhões de pessoas que acompanham suas atrações, “uns gostam” da emissora, e outros, “dizem que não gostam“.

Veja

A revista Veja veiculou uma reportagem de capa abordando a ideologia de gênero, com o título “Meu Filho é Trans”. A mudança de linha editorial da revista se deu após a chegada do novo editor, André Petry, que substituiu Eurípedes Alcântara e impôs uma linha “progressista” à publicação, abandonando o viés mais conservador que marcaram as reportagens no período pré-impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Na reportagem de capa a revista disse tratava-se de uma “saga dos pais de crianças que não se identificam com seu sexo biológico”, alegando – sem apresentar fontes que sejam transparentes e confiáveis – que essa “condição” afeta um milhão de brasileiros.

Veja afirmaou que a partir dos seis anos de idade é possível identificar que uma pessoa sofra de “disforia de gênero” (transtorno extremamente raro segundo a ciência e usado pelos ativistas para justificar a ideologia de gênero).

Para emprestar seriedade ao conteúdo, psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas e educadores foram entrevistados, com suas falas cuidadosamente destacadas para que o retrato da situação fosse visto com simpatia pelos leitores, com o texto admitindo que o propósito era impor uma nova visão: “Enxergar como pais e filhos lidam com isso é flagrar a história em seu berço. É também um modo de, aos poucos, ainda que lentamente, barrar a intolerância”.

Nas redes sociais, muitos internautas protestaram contra a panfletagem ideológica da revista: “Olhe, observe, note, Veja que desgraça! #VejaLixo e #GloboLixo de mãos dadas defendendo essa aberração da Ideologia de Gênero!”, escreveu o pastor Ciro Sanches Zibordi, dentre outros que protestaram.

Avon

A empresa de cosméticos compartilhou em seu canal no YouTube um trailer do documentário Repense o Elogio, da qual é patrocinadora, numa tentativa de capitalizar a exposição que o filme recebeu na matéria exibida pelo Fantástico.

Porém, a reação do público foi semelhante às demais empresas: repúdio. As críticas foram tão intensas que a empresa removeu o vídeo de seu canal, já que o material somava mais de 110 mil reprovações, contra pouco mais de 4 mil aprovações, o que comprometeria o ranqueamento da emrpesa no YouTube.

Dias atrás, a empresa publicou a íntegra do documentário e um novo trailer, mas as proporções de reprovação continuam amplamente superiores às manifestações de aprovação. Reveja o vídeo, agora republicado pela empresa, que gerou inúmeras manifestações negativas.

 

Facebook comentário
Você gostará também:
About Paulo Gustavo 529 Articles
Bogueiro que nasceu com lábio leporino e que tenta conviver com isso em paz, mas é difícil e que ama ficar navegando na internet durante horas e que adora ler e ouvir músicas de todos os tipos, desde que seja boa de se ouvir e que faça sentido e adora ver filmes. Gosto de ler sobre política, mas não tenho partido. Gosto de ler sobre o mundo religioso, mas não tenho religião e nem sou ateu. Também não sou de outro mundo (risos). Tenho minhas posições. Criador do blog http://www.blogpaulogustavo.com.br onde posta as principais notícias do mundo religioso e que posta (às vezes), seus comentários. Também é administrador do Blog http://megaestranho.com que posta curiosidades e terror. Sou uma pessoa que compartilha informações.
wpDiscuz